sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Proteção às mulheres

Resultado de imagem para metrô vagão feminino                No começo foi pedido que as mulheres evitassem a praia em determinados horários, as próprias acataram a recomendação pois sabiam ser melhor para elas próprias. Certos homens não sabem se comportar perto do sexo oposto, então é necessário tomar muito cuidado e cuidar bem do sexo que não é frágil e merece respeito.
                Alguns meses depois uma mocinha muito linda foi atacada num sábado à tarde no ponto oeste da praia, houve muito debate sobre quais razões levaram tal fato a ocorrer, constataram que certos homens não sabem se comportar perto do sexo oposto, então é necessário tomar muito cuidado e cuidar bem do sexo que não é frágil e merece respeito.
A medida tomada foi, primeiro pedir que as mulheres não fossem à praia aos sábados naquele horário, depois que não frequentassem mais àquela praia. Tudo com o objetivo de auxiliar o convívio e garantir a segurança.
Resultado de imagem para metrô vagão feminino                Meses depois outras praias seguiram o mesmo modelo e quando alguns grupos feministas passaram a se sentir ofendidos por não terem acesso ao mar em determinados lugares eis que uma ideia maravilhosa ocorreu e dividiram as praias em masculinas e femininas, alguns casais se ofenderam, não poderiam mais surfar e construir castelos de areia juntos, mas sabe como é certos homens não sabem se comportar perto do sexo oposto, então é necessário tomar muito cuidado e cuidar bem do sexo que não é frágil e merece respeito.
                No caminho para a praia feminina uma senhora foi atacada, um imbecil passou as mãos em seus seios abrindo margem a um novo debate: o perigo não estava apenas na praia, certos homens não sabem se comportar perto do sexo oposto, então é necessário tomar muito cuidado e cuidar bem do sexo que não é frágil e merece respeito. Os ônibus foram separados, assim como os vagões de metrô, trens, qualquer forma de transporte público.
                No dia seguinte a esta sábia decisão governamental uma Inteligência superior percebeu que as mulheres andando de bicicleta poderiam ser interpretadas como um convite a qualquer tipo de assédio, assim como estar numa praia tomando banho de mar, ou quem sabe, sei lá deus, sem companhia no transporte público. As bicicletas foram proibidas às mulheres tudo porque certos homens não sabem se comportar perto do sexo oposto, então é necessário tomar muito cuidado e cuidar bem do sexo que não é frágil e merece respeito.
Resultado de imagem para mulher com véu                Voltando pra casa uma senhora foi atacada lá pelas tantas da madrugada e foi o suficiente para um novo debate, este um pouco mais complicado, mas de solução bem mais imediata e sensata: proibiram às mulheres de andarem sozinhas no meio da noite. Tudo bem se acompanhadas por um filho maior de idade, ou pelo marido. Afinal era dever do estado protegê-las e como se sabe certos homens não sabem se comportar perto do sexo oposto, então é necessário tomar muito cuidado e cuidar bem do sexo que não é frágil e merece respeito.
                Mesmo assim uma mulher já de idade, ao lado de sua filha foram estupradas por outro imbecil em plena luz do dia no subúrbio de uma grande capital de estado. As autoridades ficaram em polvorosa e muito foi discutido: certos homens não sabem se comportar perto do sexo oposto, então é necessário tomar muito cuidado e cuidar bem do sexo que não é frágil e merece respeito. Às mulheres foi proibido o acesso a qualquer lugar se não estivessem acompanhadas de alguém do sexo masculino, foi difícil isto, algumas se revoltaram, mas o estado precisava protegê-las e garantir sua segurança e bem-estar. Eram chamadas de traidoras, objetificadas e burras.
                Um grupo anti-proibição surgiu exigindo que bastava que às mulheres fosse liberado o porte de arma, mas cabe apenas ao estado o monopólio da violência, assim como está na constituição federal, assim como também está que todos têm direito a proteção. O estado deve proteger seus cidadãos e principalmente cidadãs, certos homens não sabem se comportar perto do sexo oposto, então é necessário tomar muito cuidado e cuidar bem do sexo que não é frágil e merece respeito.
                Muitas adaptações foram feitas nas rotinas de todas as pessoas: espaços de trabalho divididos, igrejas, calçadas. Proibiram as mulheres de utilizar as piscinas públicas. Teatros segregados, profissões em que as mulheres eram assediadas culturalmente foram proibidas. Certos homens não sabem se comportar perto do sexo oposto, então é necessário tomar muito cuidado e cuidar bem do sexo que não é frágil e merece respeito.
                Até que alguém teve uma grande ideia, o problema não era de certos homens, ou de todos os homens. O problema era da mulher que trazia em si a origem de todo o mal. Então as soluções começaram a ser aplicadas, lógico, após muitos debates e deliberações. Foi decidido que toda mulher deveria fazer uso de um lenço na cabeça ao sair na rua e caso não fosse casada ou tivesse filhos também dentro de casa. Isto tudo foi muito bem engendrado e organizado, tratou-se do Plano Nacional de Proteção à Mulher. No segundo ano, após a adaptação ao uso do lenço as mulheres teriam de vestir uma saia comprida que lhes cobrisse os tornozelos, no ano seguinte uma blusa escura levando em conta que os decotes já haviam sido extintos na época da proibição das bicicletas, depois por fim um singelo chapéu que descia do topo da cabeça até o queixo com uma linda rede escura possibilitando que a protegida pudesse olhar o mundo ao seu redor, o tamanho do chapéu aumentaria progressivamente até atingir a altura dos tornozelos.
Resultado de imagem para mulher com burca
                Após o cumprimento da primeira fase do Plano Nacional de Proteção à Mulher deu-se início a fase dois: proibiu-se que as mulheres cortassem seus cabelos, depilassem suas pernas, usassem perfume e se locomovesse por qualquer lugar desacompanhada.

                A fase três do Plano está em debate. Estão debatendo a possibilidade da castração dos genitais femininos. Grupos de defesa dos direitos humanos são contrários a esta atitude exagerada, mas os apoiadores de tal medida nem se lembram mais porque tudo começou e apenas repetem que certos homens não sabem se comportar perto do sexo oposto, então é necessário tomar muito cuidado e cuidar bem do sexo que não é frágil e merece respeito e é obrigação do estado proteger e cuidar muito bem de suas mulheres.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

O Arcadismo

Resultado de imagem para o segredo de brokeback mountainHá um filme muito interessante chamado “O segredo de Brokeback mountain” do diretor Ang Lee que conta a história de dois pastores de ovelhas contratados para pastorear durante o inverno. Ao longo da história os dois cowboys vão criando um laço de amizade que se transforma em paixão apenas interrompido pela descoberta do patrão que percebendo o relacionamento entre os dois empregados os demite e dá a entender que o faz por não aceitar que ambos pudessem se relacionar. Isto acontece com ambos ainda jovens e ao longo de suas vidas os dois sempre se encontram durante o inverno na montanha Brokeback para reviver o amor proibido naquele local idílico, em meio à natureza, mesmo no frio que não era problema. Os únicos entreveros surgiam quando algo ou alguém da cidade se punha entre ambos: preconceito, obrigações, cobranças.
O filme “A lagoa azul”, conhecido hit da sessão da tarde, também mostra como a felicidade é possível em meio à natureza na paradisíaca lagoa que dá título à história. Neste roteiro, um casal de crianças sobreviventes de um naufrágio cresce sozinho numa ilha e, em meio a quedas d’água, frutas tropicais, nudez e muito bucolismo, descobrem o amor. Que novamente é atrapalhado quando da influência do mundo exterior, motivo de preconceitos e degeneração do ser humano.
Esta dicotomia sempre ocorreu desde que as primeiras cidades modernas se desenvolveram.
Resultado de imagem para a lagoa azulNo poema épico brasileiro “Caramuru”, de Santa Rita Durão a personagem Moema vive feliz no idílico e natural Brasil colonial, ela é irmã de Paraguaçú que acaba por casar-se com Diogo Álvares Correia. O problema é que enquanto os três vivem seu triângulo amoroso sem reservas e todas as liberdades possíveis tudo tranquilo, tudo muito bem; a questão é quando Diogo decide levar Paraguaçú a Portugal para ser batizada e poderem casar-se. Moema pula no mar perseguindo o navio em que estavam sua irmã com seu cunhado e acaba por afogar-se tendo seu corpo jogado na praia pelas ondas. Exemplo claro de que preferir a cidade em detrimento de um ambiente idílico, bucólico e natural não seja uma boa ideia. (Há um filme homônimo do diretor Guel Arraes, que perde muito de sua força dramática já que na telona a Moema se salva e voltando à natureza é feliz servindo-se sexualmente de todos os demais portugueses que aportariam pelas terras tupinambás, vale como entretenimento).
No romance “Iracema” de José de Alencar dá-se a mesma situação: o português Martins e a índia Iracema se apaixonam em meio à natureza. Na busca por seu amor Iracema abre mão de sua cultura e encontra morte parindo o primeiro cearense Moacir, de significado o filho do sofrimento.
A Pocahontas da Disney passa pelo mesmo processo de encantamento pelo Capitão John Smith, com um final delicadamente mais ameno que o de Iracema.
Quase absurdo, mas é o mesmo plot do filme “Avatar” de James Cameron. Salvo o final feliz a história é basicamente a mesma. E clara a dicotomia urbano/selvagem, campo/cidade.
Já notaram como nos filmes clássicos da Disney as personagens se harmonizam de forma tão bela com a natureza, já imagino uma cena clássica com a princesinha valsando com um pássaro. Ou nas cenas de amor sob quedas d’água, fazendo amor nas cachoeiras, rolando num beijo apaixonado na areia da praia, correndo atrás do grande amor entre as flores de bosque sem fim.
Resultado de imagem para avatarNo romance “A cidade e as serras” do português Eça de Queirós o rico Jacinto tem todas as tecnologias e facilidades que a modernidade da época podem proporcionar, mas é infeliz, depressivo; apenas vê lampejos de felicidade quando, por força da ocasião, se vê preso em meio às serras sem nenhuma das tais tecnologias. No campo descobre que a felicidade está nas pequenas coisas, que é possível extrair alegria do correr do rio, do rasante de uma borboleta. Fica claro inclusive no próprio título a dicotomia campo/cidade.
O Arcadismo é uma estética um tanto quanto requentada. Chamada por alguns de neoclassicismo por retomar certas características do estilo de Camões, inova ao conferir poder sem par ao espaço natural. Aqui a vida em meio ao campo é tudo o que se espera, o que se almeja. Até a infelicidade no campo é menos infeliz e impossível satisfação em áreas urbanas. Também pudera, as primeiras cidades não eram exemplos de sanidade e organização.
Resultado de imagem para iracemaInflando devido ao impulso mercantilista, ou pré-capitalista, as cidades eram a única alternativa para fugir da extrema miséria e do abandono. O arcadismo é em si um grito pelo retorno à vida simples no campo, um grito um tanto quanto ingênuo, que ignora todas as dificuldades próprias da vida rural. Somos, a humanidade, basicamente urbanos porque gostamos de estradas, telefone, televisores, shopping centers e mesmo tudo isso não existindo no século XVIII havia o poder da coletividade mesmo em meio às fezes espalhadas pelas ruas, assaltos, prostituição e tudo aquilo que sempre foi próprio de áreas densamente povoavas. Mesmo em áreas extremamente degeneradas há a esperança de algum apoio humano, onde há bonança há restos. Triste constatar coisas deste tipo, mas raramente se observam cracolândias em meio a plantações de café, por exemplo.
Um exemplo interessante de como eram as cidades neste período vem da origem da palavra Water Closet (o WC de banheiro). Sempre que alguém passasse por alguma janela usada para despacharem o conteúdo dos penicos era alertado que passaria perto do quartinho da água (water closet em inglês). Isso mesmo, as pessoas faziam no penico e jogavam pela janela, dá pra entender como a ideia de uma vida no campo seria melhor. Lá pelo menos havia áreas abertas e pisar em cocô, se não raro, pelo menos longe de casa, perto de um rio com a possibilidade limpar-se após as necessidades, menos densidade demográfica, pensamento que degringolou no naturalismo da segunda metade do século posterior. Mas me adianto.
Resultado de imagem para moema índiaAs pessoas morando mais distantes umas das outras, como acontecia no campo não era fácil de perceber seus vícios, sua imoralidade, ou amoralidade. É o filósofo Jean-Jacques Rousseau o dono da frase “o ser humano é bom e a sociedade o corrompe” influenciando de forma cabal a literatura da época. Se a sociedade é ruim o que nos resta é nos afastarmos dela – o fugere urbem, ou fuga da cidade dos livros didáticos de literatura. Junto a isto o mito do bom selvagem, quer dizer, os índios brasileiros, por exemplo, seriam pessoas maravilhosas vivendo uma vida maravilhosa tal qual uma eterna Lagoa azul, ou uma montanha Brokeback. O que estraga tudo é a sociedade dita civilizada.
Esse pensamento ignora um monte de coisa, como muitas tribos indígenas vivendo em pé de guerra mesmo antes da chegada dos europeus, também o fato de alguns costumes selvagens merecerem mesmo a definição de selvagem como a antropofagia que Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral enfeitaram como um costume ritualístico, e que mesmo assim sendo não passa de homens devorando carne humana. Não importando a desculpa, isso é selvagem pra cacete.
Também o costume que algumas índias de determinadas tribos tinham de matarem o recém-nascido após o parto porque não poderiam arcar com o peso de uma jornada com a criança (este costume é muito bem retratado no filme “Brava gente brasileira” de Lúcia Murat).
A palavra Arcadismo vem do grego e quer dizer local de poesia para pastores, o neoclassicismo tem no convite do pastor à natureza seu principal mote. Isso e outros elementos como a busca de uma vida amena em recursos materiais, mas plena de realizações espirituais (áurea mediócritas), fuga da cidade como dito parágrafos acima (fugere urbem), aproveitar a vida enquanto possível (carpe diem).
Resultado de imagem para pocahontasO “carpe diem” merece um parêntese. (Carpe significar colher, diem significa dia. Colher dia é muito mal interpretado pela ótica romântica de aproveitar bebendo, transando, experimentando tudo porque a vida é curta e o amanhã improvável.
Pois é isso e algo mais.
Carpe diem para um árcade significa entender que a vida traz a degeneração do corpo, porque é óbvio que envelhecemos: olhos, pernas, mãos, enfim. Não é possível extrair o mesmo de quando jovem, portanto colher o dia também significa trabalhar com ardor porque os braços falharão na velhice, ler em exagero ora, ainda não haviam se popularizado os óculos. E sim, experimente os sabores, os dentes cairão. Carpe diem é um convite à reflexão devido ao processo degenerativo do tempo.) Fecha parêntese.
Os pseudônimos são comuns neste período, afinal são poetas urbanos relatando as felicidades do campo. Como no lindo trecho abaixo de Marília de Dirceu. Nele Dirceu convida sua Marília a viver com ele no campo aproveitando todos os instantes até que ao fim chegue aos dois a morte, e sim, quando olharem para eles os demais pastores, o casal servirá de exemplo: uma vida simples, longe da cidade, extraindo das pequenas alegrias a extrema felicidade.
Eu, Marília, não fui nenhum vaqueiro,
 fui honrado pastor da tua aldeia;
vestia finas lãs e tinha sempre
a minha choça do preciso cheia.
Tiraram-me o casal e o manso gado,
nem tenho a que me encoste um só cajado.
Para ter que te dar, é que eu queria
de mor rebanho ainda ser o dono;
prezava o teu semblante, os teus cabelos
 ainda muito mais que um grande trono.
Agora que te oferte já não vejo,
além de um puro amor, de um são desejo.
Se o rio levantado me causava,
levando a sementeira, prejuízo,
eu alegre ficava, apenas via
na tua breve boca um ar de riso.
Tudo agora perdi; nem tenho o gosto
de ver-te ao menos compassivo o rosto.
Propunha-me dormir no teu regaço
as quentes horas da comprida sesta,
escrever teus louvores nos olmeiros,
toucar-te de papoilas na floresta.
Julgou o justo céu que não convinha
que a tanto grau subisse a glória minha.
Ah! minha bela, se a fortuna volta,
se o bem, que já perdi, alcanço e provo,
por essas brancas mãos, por essas faces
te juro renascer um homem novo,
romper a nuvem que os meus olhos cerra,
amar no céu a Jove e a ti na terra!
Fiadas comparei as ovelhinhas,
que pagarei dos poucos do meu ganho;
e dentro em pouco tempo nos veremos
senhores outra vez de um bom rebanho.
Para o contágio lhe não dar, sobeja
que as afague Marília, ou só que as veja.
Se não tivermos lãs e peles finas,
podem mui bem cobrir as carnes nossas
as peles dos cordeiros mal curtidas,
e os panos feitos com as lãs mais grossas.
Mas ao menos será o teu vestido
por mãos de amor, por minhas mãos cosido.
Nós iremos pescar na quente sesta
com canas e com cestos os peixinhos;
nós iremos caçar nas manhãs frias
com a vara enviscada os passarinhos.
Para nos divertir faremos quanto
reputa o varão sábio, honesto e santo.
Nas noites de serão nos sentaremos
cos filhos, se os tivermos, à fogueira:
entre as falsas histórias, que contares,
lhe contarás a minha, verdadeira.
Pasmados te ouvirão; eu, entretanto,
ainda o rosto banharei de pranto.
Quando passarmos juntos pela rua,
nos mostrarão co dedo os mais pastores,
dizendo uns para os outros: - Olha os nossos
exemplos da desgraça e sãos amores.
Contentes viveremos desta sorte,
até que chegue a um dos dois a morte.
Tomás Antônio Gonzaga
                Um ponto curioso é o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) fazer bastante uso de poemas deste período em suas questões. O soneto abaixo é um exemplo que já serviu para esta prova e que serve como poema exemplar do arcadismo, assinado pelo pseudônimo Glauceste Satúrnio, nome artístico do poeta brasileiro Cláudio Manoel da Costa :
Torno a ver-vos, ó montes; o destino
Aqui me torna a pôr nestes outeiros,
Onde um tempo os gabões deixei grosseiros
Pelo traje da Corte, rico e fino. 

Aqui estou entre Almendro, entre Corino,
Os meus fiéis, meus doces companheiros,
Vendo correr os míseros vaqueiros
Atrás de seu cansado desatino.  
    
Se o bem desta choupana pode tanto,
Que chega a ter mais preço, e mais valia
Que, da Cidade, o lisonjeiro encanto,

Aqui descanse a louca fantasia,
E o que até agora se tornava em pranto
Se converta em afetos de alegria.
Cláudio Manoel da Costa

                Outra curiosidade é que o Arcadismo brasileiro ocorreu em Minas Gerais e estes dois escritores acima tomaram parte do que convencionou-se chamar de Inconfidência Mineira, aquela mesma que enforcou e esquartejou Tiradentes.
Resultado de imagem para chicago
                Enquanto isso Portugal retomava sua autonomia, inclusive literária com um dos poetas mais interessantes de sua história: Manuel Maria Barbosa du Bocage, ou simplesmente Bocage.
                Neste ensaio não caberá descrever toda a profundidade e genialidade deste autor, que anteviu em sua obra elementos próprios do Romantismo várias décadas antes do próprio movimento Romântico. Quanto aos seus textos árcades, tem tudo o já citado parágrafos acima. Mas a graça está na boca suja deste poeta de geniais travessuras.
                Em Portugal dizer uma piada du Bocage é o termo para tirem as crianças e as mocinhas da sala porque lá vem sujeira. Então, tirem as crianças e as mocinhas da sala porque transcrevo abaixo dois poemas du Bocage.

É pau, e rei dos paus, não marmeleiro.
Bem que duas gamboas lhe lombrigo;
Dá leite, sem ser arvore de figo,
Da glande o fruto tem, sem ser sobreiro:

Verga, e não quebra, como o zambujeiro;
Oco, qual sabugueiro tem o umbigo:
Brando ás vezes, qual vime, está consigo;
Outras vezes mais rijo que um pinheiro:

Á roda da raiz produz carqueja:
Todo o resto do tronco é calvo e nu;
Nem cedro, nem pau-santo mais negreja!

Para carvalho ser falta-lhe um u;
Adivinhem agora que pau seja,
E quem adivinhar meta-o no cu.
Bocage

Lá quando em mim perder a humanidade
Mais um d′aqueles, que não fazem falta,
Verbi-gratia — o teólogo, o peralta,
Algum duque, ou marquês, ou conde, ou frade:

Não quero funeral comunidade,
Que engrole sub-venites em voz alta;
Pingados gatarrões, gente de malta,
Eu também vos dispenso a caridade:

Mas quando ferrugenta enxada idosa
Sepulcro me cavar em ermo outeiro,
Lavre-me este epitáfio mão piedosa:

«Aqui dorme Bocage, o putanheiro:
Passou vida folgada, e milagrosa;
«Comeu, bebeu, fodeu sem ter dinheiro. »
Bocage

                O Arcadismo deixou em nossa cultura as marcas da dicotomia campo cidade, mas também o prenúncio das novas relações humanas. Foi influenciado não apenas por Rousseau, mas também por outros filósofos chamados iluministas: Montesquieu, Voltaire, Diderot, Kant...
Resultado de imagem para arcadismoCom eles ideias de igualdade, liberdade, fraternidade, autonomia do homem, queda do absolutismo. Assuntos excelentes que talvez retorne em outro texto, mas que pertencem bem mais a aulas de história, sociologia e filosofia. Se é que há local propício para se questionar o destino e o surgimento do homem burguês. Este ser que desenvolve processos mecânicos cada vez mais dinâmicos de produção, mas que se entedia por não saber o que fazer com seu tempo livre.

                Assunto para um ensaio sobre o Romantismo. Até lá.

Cabelo e rock - Fábio Sant' Anna e Mauro Marcel


Resultado de imagem para bob cuspO rock mudou de estilo, influenciou estilos, foi influenciado por outros tantos, porém alguns estereótipos permanecem e seguem fortes ao longo dos anos. Um dos mais fortes é do roqueiro com cabelo comprido.
O cabeludão está presente em toda a cultura rock a partir dos anos 60, sobreviveu aos 70, verdadeiras orgias capilares aconteceram nos palcos dos 80 e até mesmo os 90 com Nirvana e companhia grunge ou o século XXI com Strokes e outros tantos sobreviventes de várias décadas que continuam tocando e fazendo as cabeças, chacoalhando as madeixas e balançando as tranças.
Rastafáris como Bob Marley, bagunçados como outro Bob, o Dylan. Cabelos de boneca Barbie como de Sebastian Bach (Skid Row).
Havia uma época em que seria uma verdadeira heresia uma banda de heavy metal subir ao palco com os cabelos cortados. Jogar o cabelo para a frente e descer o braço na guitarra e sentir o público fazer o mesmo com a chamada “air guitar”, a famosa guitarra imaginária que todo headbanger (e não headbanger) já tocou.
Foi o Metálica uma das primeiras grandes bandas metaleiras a ter seus integrantes com cabeças depiladas.
Resultado de imagem para zz top
Mas se me permitem uma opinião, devo dizer que com as bandas envelhecendo não é raro encontrar roqueiros calvos, a velhice chega para todos e o que fica pelo caminho é a lembrança das madeixas que foram. Inclusive pra você que agora lê e vê seus cabelos crescerem sentindo-se poderoso por ser um contestador, um verdadeiro roqueiro.
Mas muito shampoo e intensa briga com os pais depois, será que você já se questionou a respeito do motivo que levou o primeiro roqueiro a ter seu cabelo crescido?
É daquelas coisas que se perdem no tempo, mas que engrandecem os motivos que levam um menino da periferia a esperar outro emprego e não aquele que o recusou por ter cabelo comprido. Aliás, durante algum tempo no Brasil, grandes madeixas foram sinônimo de marginalidade. Mais precisamente no período militar (1964 - 1985).
Entretanto é esta a história que explica o cabelo comprido balançando de Janis Joplin, Jim Morrison, Bono Vox (dos anos 80), Europe, Iron Maiden, Queen, The Who, Sepultura, Motorhead, muitos, muitos, quase todos, até nosso Paulo Ricardo de ombreiras e olhar 43 a enlouquecer as menininhas de outrora, matriarcas de famílias de hoje.
Falando sério, um cara no palco com uma guitarra nos braços e cabelo curto quase pensamos em jazz, blues e afins, talvez um engomadinho de terno da banda de apoio do Frank Sinatra.
Resultado de imagem para europe bandEu sei, estou reproduzindo estereótipos, mas é assim que vemos o mundo, temos que questionar e foi o que os roqueiros começaram a fazer nos anos 90, 2000 e adiante. Talvez essa confissão não impressione a ninguém, mas para mim foi um choque quando o Sepultura cortou o cabelo, o Metálica, outros e outros. Eu, que nunca tive cabelo comprido, senti que o rock começava a morrer, se esfacelar com as tranças do metal.
Essa história de cabelo começou com a II Guerra Mundial. Os primeiros roqueiros eram filhos de soldados aleijados, proletários, pobres e que sofriam na pele as consequências do fim da guerra. Muitos órfãos sem a menor condição de ascender socialmente, não à toa essa é a história de John Lennon, órfão de pai, abandonado pela mãe vivendo a infância na Inglaterra do pós-guerra.
Assim como nos Estados Unidos muitos filhos de soldados cresceram sem pais ou com os pais sem braços, sem pernas e o que é pior, estes veteranos de guerra eram orgulhosos do país e de terem se aleijado, lutado e matado por ele.
Sabemos que as gerações mais jovens buscam questionar as anteriores, o cabelo comprido é a perfeita antítese do soldado dizendo “sim senhor”.
Resultado de imagem para hippie cabeludo
Dizer “não senhor”, e não cortá-lo era uma maneira de se afirmar como ser pensante e questionar o Estado. Não por acaso no musical “Hair”, que retrata com muita simpatia os hippies dos anos 60, o personagem se entrega pra morte num campo de batalha, não sem antes ter seu cabelo cortado, perdendo assim sua identidade hippie – o estereótipo do roqueiro dos 60. Assim como a primeira cena do filme de Stanley Kubrick “Full Metal Jacket” em que vários jovens têm seu cabelo raspado ao chegar numa base militar. Cabelo caindo, identidade se esvaindo.
Por que o roqueiro tinha o cabelo longo nos anos 60 e 70? Outra guerra surgiu, o Vietnã levava jovens carecas às trincheiras com um rifle nas mãos, olhar infantil e sensação de medo.
O rock nesta época transcendeu a questão musical, cultural, comportamental. O cabelo comprido de um rapaz que tinha um irmão morto no Vietnã era uma questão política, esta postura se completava quando vestia o uniforme baleado em que o irmão foi morto, a mesma roupa suja de sangue e com furos de bala. Dando início a outro estereótipo roqueiro: a roupa rasgada, o desleixo com a imagem.
Há no cabelo desgrenhado e longo todo um questionamento com o sistema. O roqueiro é o cara do não.
“Era” o cara do não, algo mudou no rock (’n roll) nos anos 2000, mas isto será assunto de outro capítulo.
Embora questionar seja diferente em diferentes épocas o roqueiro começa questionando em casa: a religião dos pais, os horários dos pais. Passa a questionar o sistema educacional: o professor, os horários de aula, os livros que o professor obrigou a ler. Questiona o Estado: exército, a música, o emprego, o corpo com tatuagens impedindo-o de entrar no mercado de trabalho.
Uma das características mais marcantes do rock é a forte associação do ritmo ao protesto de maneira geral.
Desde seu início quando o rock ainda era n’roll já se podia perceber o estranhamento que causava e a maneira que os roqueiros encontravam para protestar. Muito embora no início essa subversão estivesse muito mais ligada em como os astros do rock se vestiam ou se penteavam do que com a sua música propriamente dita.
Resultado de imagem para bob marley
Na América puritana na década de 1950 casar-se com a prima de 13 anos levou a carreira de Jerry Lee Lewis à decadência.
E o que dizer do pai da matéria Chuck Berry e suas peripécias com menores de idade? – (ouça Sweet little sixteen!).
Mal sabiam eles que os tempos seriam outros, onde Lou Reed, mais um roqueiro radical em atitude, se casaria com um travesti. Ou Marilyn Manson que num arrojo de contestação, dizem as más línguas, retirou uma das próprias costelas para, ainda segundo as más línguas, praticar sexo oral consigo mesmo.
Outro precursor do ritmo também foi rechaçado por tentar “sair do armário”: Little Richard. Preferiu, ao invés de assumir sua homossexualidade, entrar para a religião protestante a pedir ao outro (a) que saísse de seu corpo que não o pertencia.
Até Elvis Presley, embora tentasse, nunca se manteve tão radical. No princípio era até chamado de Elvis – The Pélvis, dado o provocante rebolado, tendo aparecido no programa de televisão focalizado apenas da cintura para cima. O que será que pensaria dos bailes funks realizados hoje nas grandes capitais do Brasil?
E retomando a questão capilar, Elvis Presley teve até que se alistar no exército e “tosar” seu topete, tudo por imposição de um empresário, o Coronel Parker. O Rock até que tentava ser contestador e radical, mas quase sempre esse freio já era acionado pelos empresários dos roqueiros, tema para mais um capítulo.
   Se você perguntar para um cabeludo de hoje porque ele deixa o cabelo comprido ele responderia: “ ora, é pra agitar”. Mas se fizéssemos essa mesma pergunta para um cabeludo dos idos 1960 ele te responderia que é um protesto que ele encontrou para ir de encontro aos soldados americanos que raspavam as cabeças e empunhavam armas na desculpa de estarem servindo a pátria e matando milhões de inocentes.
Resultado de imagem para cabelo black power
   Os negros também encontraram na música uma forma de expor toda a contestação, sobretudo no tocante aos valores raciais.
Você já deve ter ouvido falar de um ritmo chamado Break. Pois é, os negros utilizavam vários passos curiosos ao dançarem como aquele em que se apoiam com a cabeça e giram as pernas para cima. Segundo os antropólogos da música, tal movimento também fazia uma alusão aos helicópteros que se aproximavam do Vietnã, Laos e Camboja depositando lá de cima o mortal napalm.
Sem contar os enormes cabelos black power, étnicos, maravilhosos, construidores de identidade cultural e individual dentro de uma sociedade de consumo opressiva e deprimente.
   Aqui no Brasil o rock nem sempre foi visto com bons olhos e se hoje sua tia ouve a Rita Lee ou você liga o rádio e escuta guitarra num samba, saiba que a coisa nem sempre foi tão democrática assim. 
Pra se ter uma ideia do quanto a guitarra elétrica causou barulho, a denominação MPB só apareceu para diferenciar das demais músicas que se fazia na época, ou seja, os rocks tocados pelo pessoal da Jovem Guarda. (Naquela época ninguém o conhecia por rock, era conhecido (traduzido) aqui como iêiêiê).
Talvez o episódio mais patético que tenha acontecido nesse período foi uma passeata em São Paulo de vários artistas contra o uso da guitarra elétrica na música brasileira. Até Gilberto Gil estava lá.
   E você pode até discordar, mas a primeira grande canção de protesto de nossa terrinha foi sem sombra de dúvida Asa Branca interpretada por Luiz Gonzaga, um verdadeiro heavy metal que de tão popular foi motivo de uma brincadeira aprontada por Carlos Imperial, um papa na propaganda de novos ídolos dizendo que os Beatles gravariam Asa Branca no Álbum Branco.
Podem até não ter gravado, mas não seria surpresa se fizessem, afinal Rod Stewart plagiou uma canção de Jorge Ben, Sid Vicious gravou Sinatra, Ozzy Osborne teve seu próprio reality show.... É um mundo estranho, vamos tentar definir o rock, a postura rock.
Ter uma postura contestadora criou o eterno slogan do rock: “sexo, drogas e rock’n roll”. Lema que é mais forte em certos roqueiros que em outros, uns mais pra drogas, outros sexo, alguns nem rock. Como no caso de nosso tupiniquim Cazuza, que declarou estar numa banda de rock por acaso. Na realidade Cazuza é um exemplo puramente brasileiro de outro slogan do rock: “viva rápido e morra jovem”. Com muito sexo, muitas drogas e pouquíssimo rock. De fato, algumas canções de Cazuza são Bossa Nova, românticas, o roqueiro Cazuza gravou até Cartola - ícone máximo do samba carioca. Estava e ainda está muito à frente de seu tempo.
A contestação como marca do rock está presente em todos os anos 60, 70, 80, 90, talvez se arrefeça agora com a onda do politicamente correto.
Afinal, entre lendas e verdades, a onda de absurdos que ocorreram em palcos é vasta: Jim Morrison se masturbando, Ozzy Osborne mastigando um morcego, John Lennon pedindo que o público dos lugares mais baratos aplaudissem e o de lugares mais caros chacoalhassem as joias, o Kiss pisando em pintinhos de galinha, Renato Russo instigando um quebra-quebra no meio de um show, Amy Winehouse agredindo um fã, Marcelo D2 fumando maconha a público aberto; isso e o que se passava em hotéis, aeroportos, ônibus, aviões, turnês interrompidas, até assassinatos cometidos (há o famosíssimo caso do Sid Vicious do Sex Pistols), ou sofridos (Marvin Gaye morto pelo próprio pai) .
A lista pode crescer muito mais se esticarmos o comportamento roqueiro à sua vida. Pois são famosas as orgias organizadas pelo Led Zeppelin após os shows, no filme produzido pelo Kiss “Detroit Rock City” a própria banda faz questão de ressaltar o caráter sexual da vida roqueira ao mostrar um fã invadindo os bastidores e perceber que seus integrantes participam de orgias antes e após os shows, há uma história curiosa sobre Os mutantes, a pioneira banda roqueira tupiniquim, numa das loucas atitudes roqueiras deram LSD para um cachorro que vivia solto na vizinhança, roubaram uma estátua de um cemitério. Caetano Veloso pelado na capa do disco “Jóia”.
Durante muito tempo o rock esteve ligado ao comportamento desregrado e os músicos, produtores e empresários faziam questão de reafirmar este estilo de vida, pois é o que vendia mais e gerando lucros, pouco importava se o próprio músico servisse de lenha para a fogueira pop.
Nesta bagunça do que seja ou não contestação o próprio Bob Dylan, o primeiro grande contestador do rock começou a contestar o próprio rock, desenvolvendo uma música com letras religiosas, buscando uma solução metafísica para o caos roqueiro, não à toa Dylan tenha desaparecido por um bom tempo da mídia, na realidade seu retorno pede mais questionamentos, veio para o Brasil em 2010 e 2012 com show custando até mil reais o ingresso. Mas essa é outra contestação. Dylan fez mais pelo rock, sem fazer rock, do que qualquer outro roqueiro de carteirinha jamais fez.
Resultado de imagem para metallica integrantes
Foi Renato Russo que não permitiu que sua Legião Urbana se apresentasse no festival Holywood Rock, por se sentir por demais hipócrita em cantar o que cantava com um maço de cigarros Holywood estampado nas suas costas no palco. O mesmo Renato Russo que cantou uma canção do Menudo num momento de descontração no acústico para...  a MTV. Vá saber o que seja contestação hoje em dia. Pelo menos ele não há nenhuma imagem sua pedindo a benção para nenhum integrante da máfia do dendê. Isto sim atitude imperdoável.
O fato é que surgiu por volta dos anos 70 um novo conceito para classificar os roqueiros. Havia os de verdade e, segundo alguns xiitas do rock, havia os traidores do movimento.
Esses traidores seriam os que tinham suas músicas executadas nas rádios, vendiam milhões de cópias de discos, tocavam em festivais patrocinados por grandes companhias de cigarro e bebida, no Brasil os traidores do movimento eram conhecidos por participarem dos programas de TV da rede Globo.
O simples fato de uma banda mudar o seu estilo musical poderia ser considerado por fãs, que encaravam o rock como uma arma de contestação, uma forma de traição. Havia uma camisa de força que prendia os músicos, o público pedia muito mais aos roqueiros que apenas rock. Tanto que bandas com musicalidade punk como Os titãs, Ultraje a rigor e outras tantas, não eram consideradas punks por punks, assim como ícones internacionais do movimento como Ramones e Sex pistols, consideradas por demais pop para o que fosse, ou o que é um punk.
Afinal, o que é um punk?
Talvez um cara sem dinheiro para comprar o shampoo que o riquinho comprava. Não ganhava os mesmos brinquedos dos pais, se é que ganhava algum. Desta maneira podemos ver que está tudo conectado: a música do menino da periferia seria, nos anos 70, a música punk, pois com apenas três acordes na guitarra saíam músicas atrás de músicas, ao contrário das complexas canções metaleiras.
O que isso tem a ver com cabelo, contestação, rock, trair o movimento, titãs e iê iê iê? Tudo. Talvez até com o rap, pois se o jovem da periferia dos anos 70 não tinha dinheiro para aprender a tocar, por isso músicas simples, o jovem negro dos 80 não tinha dinheiro nem para instrumentos musicais, isso explica o rap se apoiando em seu principal instrumento: a voz. Se formos mais longe isso explicaria até o funk carioca que assombra as mamães de família protetoras da virgindade das filhinhas.
Resultado de imagem para angeli personagens
Roupas rasgadas só se transformam em estilo porque o dinheiro é curto na casa de um menino da Freguesia do Ó. A necessidade é a mãe da invenção, é claro que um menino rico do centro olhou para a roupa do ferrado da periferia e achou bacana, e quis pra ele também.
Até foi ao show de música punk da banda do menino da periferia, até comprou a fita k7 da banda, até leu o fanzine distribuído na porta e até montou uma banda para ele também, e com o apoio dos pais comprou instrumentos legais, aprendeu a tocar com um professor de música, foi aos shows das bandas punks internacionais que visitaram o Brasil, gravou um LP e foi à rádio de um amigo do pai que pagou pra música do filho tocar.
Fez sucesso. Vendeu milhares, talvez milhões de discos. Começou a ser conhecido como o poeta de uma geração, mas nunca mencionou que se não fosse aquela ferrada banda punk, suja e pobre e com mínimos recursos da periferia, jamais sua história teria acontecido.
Com o rap é a mesma coisa, assim como os hippies.
Entender a história do rock e o próprio rock é entender que tudo faz parte da história da cultura humana e dentro de tal história, tudo faz parte de um mecanismo que é interessante entender. Porque ser roqueiro, ao contrário do que o senso comum quer fazer seus pais pensarem, é ser um intelectual. Desde Bob Dylan, John Lennon e Jim Morrison que é assim.
E você lendo este livro só reforça essa afirmação. Nunca vi um pagodeiro indo a um pagode com um livro nas mãos, nem um cantor sertanejo indicar uma boa leitura para o fim de semana, mesmo sendo chamado de sertanejo universitário.
Resultado de imagem para lobão
Ou mesmo essa conversa de defesa apaixonada ao movimento, parece coisa de futebol, amor ao time do coração. Pode ser, o roqueiro veste a camisa da banda assim como o torcedor veste a do time, com a diferença de que o torcedor perde feio em se tratando de qualidade de espetáculo, raramente um apaixonado por certa banda volta infeliz de um show como o torcedor do Corinthians voltando infeliz das semifinais da libertadores.
Porém o rock está muito além de apenas paixão e revolta vazia. Ele tem em sua história a tentativa de soluções de problemas, busca reivindicar soluções, alterar rumos e não estou falando aqui do Rock’n Rio “Por um mundo melhor”, nem de qualquer outro festivalzinho temático, estou falando de quebras de preconceitos reais, luta por um fim a guerras como a do Vietnã.
É isso mesmo meu querido leitor roqueiro escutador de “Restart”, esses meninos embora empunhem guitarras e gritem como doidos, estão mais para boy bands que para roqueiros de verdade. O verdadeiro roqueiro tem de ter uma postura, tem de contestar algo, alguém, mesmo a si próprio.
E você meu outro querido leitor escutador de Jefferson Airplane, deixa os meninos pensarem que foram eles (o Restart) que inventaram o cabelo comprido, a roupa colorida, a rebeldia sem causa, ou o bom mocismo idiota. Há muito mais rebeldia hoje em um download ilegal que no acendimento de um baseado. Foi Zeca Pagodinho quem apoiou a venda de CDs piratas, seus próprios discos.
Zeca Pagodinho postura rock? Acho que já estou forçando a amizade. Para o próximo capítulo, por favor. O tema será justamente este: Postura rock.

 (Do projeto "Manual do rock para as novas e velhas gerações" de Fábio Sant'Anna e Mauro Marcel)