sábado, 24 de junho de 2017

Por que estudar literatura?

         
Resultado de imagem para homens das cavernas fogueira         Primeiramente literatura não é a coisa mais importante do mundo. Não vou ser capaz de enumerar quais sejam, mas posso garantir que comida, saúde, moradia e paz estão com certeza no topo de qualquer lista. Ou deveriam estar caso fôssemos contar o que realmente importa para uma vida com um mínimo de dignidade: morar com segurança e fazer três refeições diárias não deveria (e não deve) ser negado a ninguém. Dito isto sigo a outro parágrafo.
                A literatura nasceu com as pessoas de barriga cheia.
Resultado de imagem para homens das cavernas fogueira
Gosto de imaginar que depois de uma caçada, lá quando já tinham criado a fala, dominado o fogo e inventado a roda, os homens das cavernas com a barriga entupida de mamute começaram a contar um para o outro o que tinha sido feito pra que aquele jantar estivesse na mesa (vamos dizer que já houvesse algo que poderia ser chamado de mesa) pois bem: o cara de barba até o peito disse que aquele mamute estava bom, mas não era nada se comparado com aquele que eles tinham caçado há duas luas atrás, ou àquele outro que ele havia caçado sozinho, mas que todos sabiam que ele apenas havia pego os restos deixados por algum animal, este sim o verdadeiro caçador do dito mamute iguaria dos deuses.
Resultado de imagem para homens das cavernas fogueira                O outro homem das cavernas de barba até o umbigo disse que seu pai quando ele ainda era uma criancinha havia caçado um mamute que tinha asas e que o caçou montado nas costas de uma águia ainda maior que o extinto descendente dos nossos elefantes. Pois bem, surgia assim a necessidade do homem de passar suas experiências e no meio do caminho inventar um monte de mentiras.
Essas mentiras são conhecidas hoje com o nome de ficção e ao longo dos séculos a forma como eram contadas foi se alterando junto com o modo de vida das pessoas: suas crenças, o trabalho, o ócio, fome, fartura.
Não apenas o modo como também os temas foram se modificando, se solidificando, ruindo, desaparecendo, sendo retomados ao longo do tempo. Algumas destas histórias deram origens a crenças, outras ajudaram a destruir impérios.
Resultado de imagem para inferno de dante
Nunca duvide do poder da literatura: a própria forma como imaginamos o inferno veio de um livro chamado “A divina comédia” de Dante. Antes dessa obra o inferno era apenas uma ideia abstrata. Dante teve a audácia de dar a cada pecado e pecador uma forma visível, tudo criado por sua mente, e isso foi tão revolucionário pra época que os padres quando tinham de descrever quais eram os tormentos eternos recorriam a este livro que logo passou para o imaginário coletivo como o próprio real inferno.
Mas não é este o tema deste artigo, o título não é “como surgiu a literatura”, mas “por que estudá-la”.
Sei que dei uma volta enorme, mas espere com um pouco de paciência que chego lá.
Resultado de imagem para trovadorismoO que fez o homem das cavernas inventar histórias foi o mesmo que o fez desenhar nas paredes. (Devo admitir que aqui cabe uma dose enorme de especulação, mas quero fazer ter sentido isso tudo). Afinal me diga você por que alguém pinta a parede da própria casa e coloca um quadro pendurado entre uma janela e um vaso de porcelana? Por que você conta a história do seu primeiro beijo pros seus amigos quando volta daquele encontro exagerando nos detalhes? (muitos deles mentirosos, mas que se dane, como dizer que foi mentira sendo que apenas você sabe a história real)
Como no conto de Machado de Assis “Noite de Almirante”, nele o personagem marinheiro Deolindo espera ter uma noite de amor com a amada que deixou em terra após seis meses de espera. Diz aos seus companheiros de bordo que terá uma noite espetacular, uma verdadeira noite de almirante. Ao encontrar sua amada Genoveva descobre que foi trocado e ao voltar ao barco em vez de contar sua frustrante experiência, prefere mentir. Por que diria a verdade numa situação como essas?
Então.
A literatura é uma das formas de expressão humana conhecidas como arte, assim como a pintura, arquitetura, escultura, música, teatro. Assim podemos não fazer a pergunta envolvendo apenas a literatura, mas envolvendo todas as artes. Por que se estuda arte?
Mais longe podemos ir. Podemos perguntar: por que se produz arte?
Por que um rapaz no século XIII decidiu escrever um poema com o eu lírico feminino e dizer que estava sofrendo por seu amado que partira? Por que um inteligente esquisito de óculos inventou um monte de heterônimos e deu a cada um uma personalidade e escreveu com a personalidade de cada uma porção de poemas geniais? Por que as pessoas saem de casa e gastam uma fortuna para assistirem no teatro a uma peça escrita por um maluco que muitos dizem nem ter existido?
Resultado de imagem para fernando pessoa
E por que estudar isso na escola? Sério, por que estudar isso sendo que as coisas mais importantes do mundo envolvem alimento, moradia e saúde? Não seria melhor voltar os esforços da educação mundial para soluções para os problemas práticos da humanidade, como saneamento básico?
Porque se seguirmos essa linha de raciocínio já consigo ver onde chegaremos: enquanto a gente estuda Romantismo na escola, “algo que não serve pra nada”, milhões de crianças morrem abandonadas na África. Estudar Parnasianismo não vai ajudar a conseguir um emprego melhor no futuro, simbolismo não enche o prato de ninguém, não existem fábricas contratando poetas.
Resultado de imagem para platãoTambém posso ouvir claramente os ofendidos professores de Literatura dizendo que é preciso estudar os clássicos (e eu concordo muito, afinal também sou professor de literatura), nós diremos que lendo se aprende a escrever melhor, interioriza-se a gramática, amplia-se o horizonte e um monte de frase pronta, frases com a marca do você tem de ler e pronto acabou.
Mas convenhamos, isso não convence mais ninguém: você pode ampliar muito seus horizontes lendo muita coisa que não é literatura. Platão, o gigante da filosofia, dizia que literatura era perda de tempo, pois se o mundo que vivemos não era o real e que deveríamos buscar o mundo ideal, a literatura era a representação de um mundo que nem sequer deveria existir, ou mais ou menos isso. Acho que estou ofendendo a filosofia tentando citá-la, perdoem-me amigos estudantes e professores de filosofia, mas não gosto de Platão quando ele não gosta de literatura. Vamos mudar de parágrafo, por favor.
Pois bem, também é possível estudar gramática sem literatura, basta para isto fazer o óbvio: estudar gramática.
Mas quando eu penso nos motivos que me levam a aceitar de peito aberto que a literatura deve ser ensinada na escola penso na resposta dada por Paulo Leminski, um dos meus poetas favoritos à pergunta a ele feita sobre o porquê de se fazer literatura, na verdade a pergunta foi assim: “Leminski, pra que serve um poema?”
E a resposta foi esta: “Graças a deus um poema não serve pra nada”.
E é por isso que amo o texto literário. Porque até podemos expandir os horizontes lendo um livro e é certo que o fazemos, também podemos aprender língua portuguesa e aprendemos, podemos aprender a interpretar textos e muitas outras utilidades práticas que são apenas subproduto do texto literário, porque na realidade o texto literário não deve servir para definitivamente nada.
Mas calma meu querido professor secundário, calma meu querido amigo amante de Drummond e Lispector. Também amo o Pessoa na pessoa e a rosa no Rosa. Mas vamos lá, num mundo em que temos de acordar por um motivo: descansar para trabalhar no dia seguinte. Trabalhar para conseguir dinheiro. Conseguir dinheiro para pagar as contas. Para as contas para seguir a rotina de dormir, acordar e sair para trabalhar. Tudo tem um porquê e nesse mundo de utilidades em que tudo serve pra alguma coisa, a literatura tem o mérito de nos humanizar, pois ela não serve pra nada.
Só os seres humanos fazem coisas sem motivo, contam histórias, pintam quadros, compõem canções, penduram um quadro na parede, fazem sexo. Sim. Sexo. O ser humano transa pra se relacionar, gozar, amar, sentir prazer. O prazer nos torna únicos no mundo animal. O prazer bem sentido não tem função além de um fim em si mesmo e é possível extrair prazer do sexo, e esta é a frase mais óbvia que escrevi na minha vida. Mas também é possível extrair prazer de coisas diferentes: uma piada, um bate papo com um amigo super interessante, uma garrafa de coca cola num dia de sol, um banho de mar, um livro, uma visita a um museu, um poema. Ou apenas com sexo (a vida fica tão limitada assim).
Resultado de imagem para ary toledo
Há pessoas que extraem prazer vendo uma velhinha caindo da escada. De fato, uma das melhores maneiras de conhecer o ser humano é descobrir o que lhe proporciona prazer: filmes de ação, jogos de guerra, companhia de pessoas escandalosas, a dor alheia, a solidão, de novo: um poema de Cecília Meireles “Canto porque o instante existe e minha vida está completa, não sou alegre nem sou triste sou poeta...”
Nesse momento acho que você já percebeu o ponto onde quero chegar, a literatura ajudou a humanizar os homens das cavernas, ela (a literatura) e todas as demais formas de arte. Ela não é mais importante que um prato cheio todo dia, mas sem ela um prato cheio pra você e para o cãozinho na coleira seriam a mesma coisa. Se você pode pensar em possibilidades para a sua vida futura e lembrando do seu passado tentar não cair nos mesmos erros e em erros que você nem cometeu, mas sabe serem errados é porque alguém escreveu sobre isso.
Já havia análise psicológica antes de Freud em Dostoievski, por exemplo. E em Vinícius de Moraes aprendemos um verdadeiro manual sobre relacionamento: a fidelidade, a separação, a mulher que passa e nos desperta desejo, desejo que não é paixão, nem amor, apenas uma vontade olhar, de continuar olhando a mulher que passa. E quanto à genial máxima “filhos melhor não tê-los, mas se não tê-los, como sabe-los”?
O texto literário nos leva por caminhos inexplorados pelo nosso eu, estradas percorridas por outras pessoas ao redor do mundo. Algo que nos unifica enquanto pessoas humanas, a mesma dor, a mesma agonia passada por mim também sentida por alguém há muitos séculos atrás, quem sabe no futuro, distopias que se realizam, medos tomando forma.
Na literatura há o encontro entre o possível e o imaginado. Quando se imagina se cria a possibilidade de algo novo, nós evoluímos.
Resultado de imagem para eu robot asimovAprendemos literatura porque comer, dormir e nos reproduzirmos não basta. Temos que fazer o que os seres humanos fazem: temos de transcender. E como diz Pound: “os poetas são as antenas da raça”. Estar cercado por eles é estar próximo de um mundo que está longe de ser o ideal, é estar em um mundo repleto de potencial, Júlio Verne dando a volta ao mundo em 80 dias, a dez mil léguas submarinas, ou no olhar de Capitu numa eterna dúvida... traiu ou não traiu? Descendo ao inferno com Dante, num manicômio cercado por cegos na companhia de Saramago, nos confins dos cus de judas com Antônio Lobo Antunes, isso mesmo, no mínimo, muito assunto pra discutir, não ao redor da fogueira, talvez na sala de aula, sempre abertos a novas possibilidades.
E buscando outras formas de fazer e refazer a literatura, que no fundo não passa de um monte de mentiras acumuladas nas prateleiras. Mas que nos revelam a identidade do humano demasiado humano. Do nosso profundamente nosso.
Não teríamos chegado nem perto de onde estamos sem literatura e não avançaremos sem ela. Verdadeira mola mestra da humanidade, criamos agora e criaremos mais no futuro tudo o que foi, é e será imaginado. O texto literário não é uma fábrica de sonhos, mas a melhor maneira de inventar a realidade.
Resultado de imagem para viagem ao centro da terra
E para mais apontamentos do tipo recomendo não livros teóricos como indicação, mas muita obra gostosa de ler, imaginações férteis que sonharam o futuro que é o nosso presente:
-Eu, Robot, de Isaac Asimov
-Viagem ao centro da terra, de Júlio Verne
-A jangada de pedra, de José Saramago
-O cortiço, de Aluízio Azevedo
- O conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas
-2001, uma odisseia no espaço, de Arthur Clark
-1984, de George Orwell
-O senhor das moscas, de William Golding
-A volta do parafuso, de Henry James
-Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust (se você tiver coragem e espero muito que tenha)

E qualquer outro livro que nos leve a descobrir novas possibilidades para a nossa vida tão precária aqui no maravilhoso planeta terra.
Mauro Marcel